scroll

A Aegro, agtech gaúcha responsável pela gestão de mais de 2 milhões de hectares em mais de 20 estados do Brasil além de Paraguai, Bolívia e Angola, acaba de receber um novo investimento de R$ 12 milhões para democratizar acesso ao crédito no campo. O aporte contou com a participação da SP Ventures e da ABSeed, acionistas que fizeram a rodada de investimento seed, além de Nizan Guanaes, SLC Ventures e ADM Venture Capital. Participam também da rodada family offices como o do investidor Luis Felipe Carchedi, com forte background no campo.

“A combinação de capital com profundo conhecimento estratégico do setor visa alavancar iniciativas chave em branding, produtos de software agrícola e serviços financeiros”, comenta o cofundador e CEO da Aegro, Pedro Dusso. A agtech foi case recentemente aqui no blog, apontada pelo Instituto Caldeira e pelo Sebrae como uma das startups para ficarmos de olho em 2021.

Fundada em 2014, a Aegro é uma agtech brasileira cuja missão é entregar as ferramentas certas nas mãos de quem produz para ajudar a agricultura a evoluir. Para isso, une a rotina da lavoura à gestão financeira, centralizando informações para tornar a vida do profissional rural mais eficiente. Com o investimento, a Aegro quer democratizar o acesso à soluções financeiras personalizadas para a realidade de cada um desses produtores, desburocratizando o acesso ao crédito e também a seguros e contas digitais.

O anúncio também marca o primeiro investimento da SLC Ventures, braço da SLC Agrícola criado para investir em novos modelos de negócio digitais com foco no “dentro da porteira”. O aporte é o primeiro passo da SLC Ventures em seu objetivo de criar um portfólio de investimentos de longo prazo que represente o futuro do agro.

As transformações de modelo de negócio e o consequente redesenho da cadeia de valor do agronegócio que estamos observando são impressionantes. A Aegro é uma das histórias de sucesso recentes: são vencedores em entregar software de gestão para os produtores que ainda não usam essa ferramenta, a preços competitivos, e com interface intuitiva”, comenta Frederico Logemann, Head de Inovação da SLC Agrícola.

A SLC está realizando diversos movimentos na direção da inovação, como com a inauguração do espaço no Instituto Caldeira, hub de inovação localizado em Porto Alegre (RS).

O Ecosystem Leader da SLC, Carlos Aranha, comenta que o apoio à Aegro irá muito além do aporte financeiro. “Queremos aproximá-los da SLC e apoiá-los em várias frentes de gestão nas quais desenvolvemos know-how. Essa é a nossa tese de corporate venture capital: investir em negócio nos quais possamos dar uma contribuição, e com os quais possamos aprender também. Isso está alinhado ao nosso sonho grande, que é impactar positivamente gerações futuras, com liderança mundial em eficiência e respeito ao planeta”, complementa.

A solução da agtech gaúcha

O Aegro, o sistema de gestão agrícola que é o produto principal da companhia, e se tornou o Excel do Campo. São mais de quatro mil fazendas em todo Brasil, de 100 ha a 10.000 ha de soja, milho, outros grãos e cereais em geral, além de café, cana-de-açúcar e algodão.

A solução permite que todos os funcionários da propriedade controlem seus processos agrícolas simultaneamente, trabalhando de maneira mais integrada. Além de administrar as operações da fazenda pelo computador, o aplicativo para celular e tablet permite que os produtores acessem suas informações sem internet.

A companhia segue num crescimento exponencial da sua base de hectares, tendo atravessado o ano de 2020 superando todas as projeções de vendas. Com a aceleração da digitalização dos negócios forçada pela pandemia, a Aegro se posicionou como a ferramenta de facto para gestão dos processos produtivos e financeiros. A rodada atual vem para acelerar as iniciativas de ecossistema de aplicativos agrícolas dentro do Aegro e também as iniciativas de serviços financeiros integrados junto ao software de gestão.