scroll

Cinco gigantes do setor financeiro, cinco grandes desafios a serem vencidos e 53 startups para ajudar a construir novos caminhos, sendo cinco delas de Israel. A primeira edição do Conecta Caldeira, programa que tem como objetivo aproximar as empresas fundadoras do Instituto Caldeira com startups e dar visibilidade a essas jovens empresas no ecossistema gaúcho, chegou ao fim com duas grandes vencedoras: a NeuralMind e Polen, com empate técnico. 

As empresas tiveram a mais alta pontuação na avaliação do projeto e, além das conexões geradas, receberão créditos para ocupar espaços no Instituto Caldeira em 2021. O Conecta Caldeira iniciou em setembro e contou com a parceria da Semente Negócios em todas as etapas, desde a chamada das startups, passando pela seleção e demoday. 

“Foi sensacional participar deste programa. Estamos comemorando até agora o resultado e os feedbacks que recebemos, que são muito importantes para a nossa evolução”, comenta a CEO do Polen, Renata Chemin. A fintech de Curitiba (PR) conecta empresas e causas sociais e já gerou R$ 1 milhão em doações.

A gestora diz que a agilidade da iniciativa surpreendeu. “Geralmente programas como esses levam muito tempo para acontecer. O Conecta Caldeira foi muito ágil, desde inscrição e o pitch até recebermos o resultado. Esperámos que só conheceríamos as vencedoras em 2021, mas chegou agora e ficamos muito felizes”, destaca.

Renata comenta ainda que o Conecta Caldeira facilitou a aproximação da Polen com as instituições financeiras.  “Às vezes demora muito tempo para a gente encontrar a pessoa certa dentro das corporações e o Conecta Caldeira nos ajudou nisso, o que abriu portas importantes para conseguirmos fazer negócios, gerar valor para essas empresas e para o mundo”, diz, destacando que as companhias já demonstraram interesse em fazer negócio com a startup. Já para os bancos, o programa é a oportunidade deles se conectarem com startups já pré-selecionadas, eliminando etapas de busca das jovens empresas. 

A sócia-fundadora e CEO da NeuralMind, Patricia Toledo, também destacou a experiência. “O Conecta Caldeira é um programa super bem estruturado e com uma rede impressionante de conexões. Nos enchemos de orgulho por ter ficado na primeira colocação. É uma grande oportunidade de gerarmos novos negócios e parcerias”, avalia, destacando que quatro, das cinco instituições financeiras participantes, se interessaram em fazer uma prova de conceito com a NeuralMind. 

A startup é especializada em usar os últimos avanços da Inteligência Artificial para gerar produtos que agreguem valor para o mercado financeiro e jurídico, entre outros. Recentemente, foi selecionada para o 10º ciclo de aceleração da Oxigênio, programa da aceleradora da Porto Seguro, e eleita uma das dez startups de Inteligência Artificial mais atraentes do mercado brasileiro pelo ranking 100 Open Startups.

A primeira edição do Conecta teve como objetivo ajudar a resolver cinco desafios dos bancos participantes: Agibank, Banco Topázio, Banrisul e Saque Pague. Entre as temáticas para as quais as startups deveriam apresentar soluções estavam: Gestão e Operação Interna, Produtos e Serviços Financeiros, Crédito e Microcrédito, Relacionamento com o Cliente e Iniciativas de Impacto Social.

“O mais interessante de todo processo foi as instituições olharem para os seus desafios de negócios, entenderem que eles poderiam ser resolvidos por startups e se dispor a realizar isso de forma aberta. Fazer essa conexão entre as empresas e as startups é um dos principais pilares do Caldeira”, comenta a gerente de projetos do Instituto Caldeira, Lívia Menegat.

Ela explica que 13 pré-selecionadas foram para a etapa final, os dois dias de demoday, e com resultados muito positivos. “As instituições financeiras demonstraram interesse por fazer POCs com a maioria das startups, ou seja, enxergaram nestes empreendedores a possibilidade real de ajudá-los a resolver os desafios do dia a dia da operação”, observa Lívia. A boa notícia é que uma segunda edição do Conecta Caldeira está sendo preparada para o início de 2021. 

O sócio e Head de Inovação Corporativa da Semente Negócios, César Costa, diz que o resultado desta primeira edição do Conecta Caldeira traz uma perspectiva muito promissora para os próximos anos. “Foi a primeira edição e já atraímos mais de 50 empresas, algumas internacionais e muitos bancos se interessaram em fazer as provas de conceito. A ideia é que o projeto tenha uma constância e siga reunindo startups do Rio Grande do Sul, mas também do Brasil e de hubs como de Israel, Espanha, entre outros”, destaca.

Conheça as startups vencedoras do Conecta Caldeira

Polen – Fundada em 2017 pelos empreendedores Renata Chemin (CEO) e Fernando Ott (CTO), a Polen conecta empresas e causas sociais e já gerou R$ 1 milhão em doações, atendendo clientes como Embelezze, FOM, 99app e James Delivery. A startup usa a tecnologia para descomplicar o processo de apoio social corporativo, automatizando cada fase das iniciativas corporativas de impacto social, passando pela curadoria das instituições apoiadas até a garantia de transparência total das ações, enviadas diretamente para o consumidor. A fintech é investida pelos grupos Curitiba Angels, Angels4Impact , GV Angels e Bossa Nova. 

NeuralMind – Sediada no Parque Científico e Tecnológico da Unicamp, em Campinas (SP), a NeuralMind é especialista no desenvolvimento de produtos usando técnicas avançadas em Inteligência Artificial. O foco está em solucionar problemas complexos que envolvem processamento de imagens e vídeos, análise de textos, detecção de fraudes, garantia de compliance e reconhecimento de padrões. À frente da operação estão Patricia Toledo, CEO, e Roberto Lotufo, CTO e professor da Unicamp com mais de 25 anos de experiência na pesquisa e desenvolvimento em Inteligência Artificial.