scroll

A missão de transformar a indústria está se tornando uma meta cada vez mais audaciosa para a Sirros IoT. A startup especializada em soluções para a indústria 4.0, acaba de receber um aporte de R$ 5,2 milhões. A rodada de investimentos foi liderada pela Randon Ventures, com participação da associação nacional de investimento-anjo BR Angels Smart Network e da ArcelorMittal, por meio do Açolab Ventures. Com os recursos, a meta é otimizar a Plataforma de Internet das Coisas em nuvem e escalar o atendimento às plantas industriais.

A Sirros IoT fez parte da segunda turma do Ebulição, do Instituto Caldeira e, após o término do programa, se tornou membro da comunidade.

Foi muito importante para a nossa a trajetória estar dentro do Caldeira. Quando fizemos o Ebulição, estávamos iniciando o processo de captação e precisávamos fazer algumas mentorias para otimizar, especialmente, o nosso processo comercial. Estar na comunidade também nos ajudou a nos conectarmos com muitas empresas, inclusive uma grande corporação”, comenta Diego Schlindwein, COO e cofundador da startup.

Fundada em 2016, no Rio Grande do Sul, a Sirros IoT está presente em oito estados brasileiros e atua com 25 das maiores companhias do país. Além disso, a startup voltada para o mercado B2B enterprise tem planos de expansão para Argentina e Uruguai ainda este ano.

O fundador e CEO da Sirros IoT, Romulo Pehls, comenta que o aporte chega para impulsionar a aplicação das soluções tecnológicas nas indústrias, o que gera mais eficiência administrativa para os negócios e impacta diretamente nos serviços oferecidos para a população.

A sociedade pode esperar um processo de expansão agressiva da Sirros IoT no segmento industrial, com soluções consolidadas para revolucionar diversos segmentos, como metalurgia, siderurgia, mineração, metal-mecânico, termoplásticos, alimentação, celulose e bebidas. Já os investidores podem contar com a manutenção de nossas margens de lucratividade, construindo um case sólido e promissor para o médio e longo prazo”, declara Pehls.

Para o diretor de Negócios e Estratégias Digitais das Empresas Randon e diretor da Randon Ventures, Mateus de Abreu, a parceria potencializa as sinergias de atuação conjunta, e reforça a tese de investimentos em execução, sendo a primeira investida da companhia que atua na vertical de indústria 4.0.

Para nós esse investimento tem um simbolismo especial, já que a Sirros foi uma das primeiras startups com as quais nos conectamos, desenvolvendo projetos relevantes de controle de eficiência operacional, geolocalização de equipamentos e visão computacional de inspeção de qualidade de produtos, em algumas das empresas do grupo como Fras-le, Randon Implementos e Master Sistemas Automotivos”, relembra Abreu.

Para possibilitar que pequenas, médias e grandes empresas se tornem fábricas inteligentes e orientadas por dados, a startup oferece dispositivos IoT com conectividade segura, baseada em nuvem e controle em tempo real para ajudar na tomada de decisões, assim como na produtividade e eficiência.

Os três grandes segmentos de atuação são telemetria de equipamentos, geolocalização e visão computacional. Dessa forma, é capaz de aumentar em 20% a utilização de máquinas, além de diminuir em 10% o consumo de energia e em 5% o desperdício de material. O retorno do investimento para as empresas que implementam as soluções da Sirros IoT é de apenas três meses.

Como principais soluções, a startup disponibiliza a Plataforma IoT, nuvem que permite que os clientes e parceiros integrem seus dispositivos tecnológicos de forma fácil e segura, concentrando toda informação em um único lugar, e o Sirros S1, ferramenta capaz de coletar dados ou comandar diversos equipamentos com total segurança através da Internet.

Ainda estão disponíveis as soluções V.IoT, de geolocalização para veículos industriais, que permite, dentre outras funcionalidades, o monitoramento em tempo real da localização, velocidade, riscos de segurança e ocupação de cada ativo, e a P.IoT, solução de geolocalização de pessoas, que permite o controle de pausas térmicas, uma grande aliada das empresas da cadeia do frio, que por sua vez, têm a necessidade de controlar os intervalos de descanso térmico dos seus colaboradores.