scroll

O ano de 2021 promete ser decisivo para a Suiteshare, empresa que oferece uma plataforma de vendas e atendimento pelo WhatsApp. A startup está em meio a um processo de reformulação que envolve, entre outras coisas, os planos de internacionalização, expansão de equipe e de mercado. A companhia é uma das retailtechs presentes no levantamento apresentado recentemente pelo Instituto Caldeira e Sebrae RS, que destaca startups gaúchas que devem fazer a diferença neste ano em sete verticais do mercado.  

Criada em 2017 pelos sócios Maicon Ferreira, Marlon Cândido e Marcelo Wagner, a evolução da Suiteshare foi rápida. O primeiro funcionário foi contratado em agosto de 2019; atualmente, 25 pessoas já integram o time, com planejamento de que esse número possa ser dobrado ainda este ano. A aceleração da digitalização ocasionada no período da pandemia foi um dos fatores responsáveis por alavancar o negócio da empresa e contribuiu para a conquista de grandes varejistas como clientes, como Natura, Lacoste, Arezzo, Hering, Track & Field e Lupo.  

“As metas de 2020 foram superadas no período da pandemia. As lojas (físicas) estavam fechando e as empresas começaram a buscar soluções digitais para que pudessem atender mesmo de portas fechadas. Foi nesse momento bastante complicado que a Suiteshare conseguiu ajudar”, aponta Maicon Ferreira, CEO da retailtech. 

Grandes empresas passaram a ver o WhatsApp como uma ferramenta capaz de atrair clientes, promover mais vendas e melhorar o atendimento, com o acréscimo de permitir que os resultados fossem mensurados de modo mais eficiente. Hoje, cerca de 40% da carteira de clientes da Suiteshare é representada por varejistas de grande porte. “Foi como um efeito dominó”, compara o COO da empresa, Marlon Cândido, ao mencionar a influência que as grandes varejistas tiveram no mercado para a ampliação deste novo canal.

Boom das retailtechs

De acordo com a pesquisa Distrito Retailtech Report Brasil 2020, 84,4% das startups voltadas ao varejo no Brasil foram criadas ao longo dos últimos dez anos, passando de 100 em 2011 para 644 em 2020. Entre os principais desafios para que o setor possa seguir evoluindo, segundo Ferreira, está a retomada da economia e o amadurecimento da digitalização por parte dos varejistas. 

“Acreditamos que o varejo irá buscar cada vez mais soluções, pois entendeu que precisa ter margem de mercado no público digital dele”, afirma. Ele pondera, porém, que esse movimento em busca de ferramentas inovadoras é recente e há ainda muito caminho a percorrer, o que envolve também o surgimento de um número maior de empresas destinadas exclusivamente a desenvolver soluções inovadoras ao setor.  

Para Cândido, o olhar da nova geração de empreendedores, que começa a ocupar cargos de liderança no setor varejista, promete contribuir para esse processo. Outro ponto a ser destacado, segundo ele, é a ampliação do mercado de marketing nesse segmento.  

“Um tempo atrás, só quem trabalhava com marketing eram as gigantes. A tendência hoje, acelerada pela própria pandemia, é de ampliação desse mercado. As empresas observam que é fácil e barato se colocar digitalmente e obter resultados. Estamos nesta virada de chave”.

WhatsApp como tendência  

De acordo com dados do próprio WhatsApp, há mais de 2 bilhões de usuários do aplicativo no mundo e pelo menos 160 milhões no Brasil. O serviço de WhatsApp para negócios foi lançado em 2016, mas somente conseguiu um grau de amadurecimento e expansão recentemente.  

Para se ter uma ideia, uma pesquisa da consultoria Accenture, de julho deste ano, aponta que 83% dos brasileiros já utilizam o WhatsApp para fazer compras, o que reforça o espaço que a ferramenta ganhou nos negócios atuais.

“O WhatsApp é uma tendência que veio para ficar. Não há como negar isso. Em atendimento, já é o número um. Levará ainda alguns anos para se consolidar como uma ferramenta que ajude tanto o empresário quanto o consumidor, mas é uma solução que já está na mão de todos”, diz o CEO da Suiteshare. 

Internacionalização

É neste meio que a Suiteshare se posiciona: uma ferramenta que ajuda empresas a conquistarem mais clientes utilizando o WhatsApp sob uma plataforma digital com recursos de marketing de vendas. 

O objetivo da startup é se tornar um canal mais abrangente, que vá além do WhatsApp e seja um suíte de ferramentas que possa ajudar os empresários nas suas estratégias de marketing e vendas. Para este ano, porém, o principal desafio está na internacionalização da empresa.   

“Queremos colocar um pezinho lá fora. Começar pela América do Sul e expandir para alguns países da Europa que utilizam bastante o WhatsApp. Há uma demanda muito grande lá fora”, aponta Ferreira.