scroll

Construir pontes e fomentar conexões são alguns dos pilares mais importantes quando se busca criar um ecossistema de inovação pujante e plural. Isso significa fortalecer relações e dar valor às parcerias entre diversos agentes. E foi justamente com a missão de gerar conexões com as universidades, o poder público e as empresas que o Instituto Caldeira nasceu. Propósito que agora é acelerado por meio de diversas parcerias e termos de cooperação firmados nos últimos meses.

“O Caldeira é resultado de um sonho compartilhado por muita gente interessada em desenvolver negócios de impacto no Rio Grande do Sul. E todas essas relações que estão sendo construídas, baseadas na colaboração, vão ao encontro dessa visão”, comenta o diretor executivo do Instituto Caldeira, Pedro Valério.

Segundo ele, o ecossistema de inovação gaúcho só avançará se formos todos juntos. “Os termos de cooperação são uma forma de alinharmos esse objetivo com parceiros que têm esse mesmo propósito de fomento do nosso Estado a partir da inovação”, diz. Confira abaixo algumas destas conexões que estão sendo geradas.

Tecnopuc

Um convênio firmado entre o Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc) e o Instituto Caldeira, em março desse ano, está gerando as condições para que a capital gaúcha seja um polo de inovação e empreendedorismo de classe mundial. A iniciativa prevê a atração de investimentos e a geração de startups. A ideia é que o parque e o Instituto atuem de forma colaborativa, construindo pontes entre os ecossistemas existentes e fomentando o surgimento de novos ambientes na cidade. “Essa primeira parceria formal com o Instituto Caldeira ampliará o leque de possibilidades das startups dos hubs e coworkings do Tecnopuc Startups, conectando a demanda dos laboratórios de inovação de grandes empresas que fazem parte do Caldeira com os empreendimentos de estudantes e pesquisadores/as da universidade. Por outro lado, permitirá que as empresas do Caldeira possam acessar a infraestrutura oferecida pelo ecossistema do Tecnopuc”, destaca o superintendente de Inovação e Desenvolvimento da PUCRS, Jorge Audy.

Unisinos

A Unisinos, que lidera um dos parques tecnológicos mais importantes do Brasil, o Tecnosinos, firmou uma parceria com o Caldeira que deverá gerar mais sinergia entre as empresas e startups sediadas no espaço e a área de pesquisa aplicada da universidade, localizada em São Leopoldo. “Temos um Instituto em Semicondutores que trabalha forte na área de Internet das Coisas (IoT) e sensores, além de outros na área de alimentos e sistemas construtivos. Queremos usar este conhecimento para gerar novos empreendimentos e produtos inovadores”, comentou o pró-reitor Acadêmico e de Relações Internacionais da Unisinos, Alsones Balestrin, na assinatura de parceria com o Caldeira.

Universidade do Vale do Taquari

A Univates, localizada em Lajeado, no Vale do Taquari, foi a primeira universidade do interior gaúcho a se aproximar do ambiente de inovação do Caldeira. Assinado em julho, o convênio tem a intenção de promover ações voltadas a fomentar o empreendedorismo inovador e o desenvolvimento de um ecossistema de inovação ainda mais fértil e com maior alcance, agora rompendo os limites da Região Metropolitana de Porto Alegre.

Federasul

A inovação ganhou mais um caminho para chegar aos empreendedores do interior gaúcho com a parceria estabelecida com a Federasul. “Vamos aproveitar nossa capilaridade para contribuir com a ampliação do alcance dos excelentes projetos desenvolvidos pelo Caldeira na área de inovação”, explica o presidente da Federasul, Anderson Trautman Cardoso. Por meio dessa conexão, a entidade vai possibilitar novas possibilidades para as suas filiadas, aproveitando a expertise do Instituto Caldeira, que tem parcerias nacionais e internacionais.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs)

Em julho, Caldeira e a Ufrgs firmaram um convênio que vai ajudar a trazer um pouco da universidade, referência no Rio Grande do Sul, para dentro do espaço do Instituto, localizado no 4º Distrito de Porto Alegre. A instituição de ensino passará a ter um espaço dentro do Hub de Educação do Caldeira. “É muito relevante manter próximo do Caldeira esse empreendedorismo que a Universidade respira, com seus jovens estudantes, aspirantes a pesquisadores de novas tecnologias e empreendedores, diz o diretor executivo do Instituto Caldeira, Pedro Valério.

IMED

A Universidade IMED agora é uma sócia-fundadora do Instituto Caldeira e já informou que pretende usar a nova posição a favor do ambiente de inovação do Rio Grande do Sul. Firmado em junho, o acordo com o Caldeira prevê que a instituição transfira parte de suas operações para o espaço do hub de inovação. Mais precisamente, as áreas da tecnologia e politécnica, com os cursos de Ciência da Computação, Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo da IMED, passarão a ocupar o espaço do 4º Distrito.

Fecomércio-RS/Senac

O Sistema Fecomércio-RS/Senac chega ao Caldeira para aprimorar ainda mais o conhecimento das cabeças que integram o Instituto. A parceria firmada em junho e se materializa com novos serviços educacionais para os membros do hub de inovação. Na prática, serão oferecidos cursos de idiomas em diversos formatos voltados para jovens adultos, um ponto vital para quem deseja empreender em um mundo globalizado. As formações serão oferecidas ainda neste semestre no formato remoto/ao vivo e, futuramente, no espaço da instituição, dentro do Hub de Educação do Caldeira.

Colégio Israelita

Atento também para as conexões com estudantes mais jovens, que poderão vir a ser as futuras gerações empreendedoras, o Caldeira convidou o Colégio Israelita, localizado em Porto Alegre, para participar de um projeto ao estilo “gincana de inovação”. Os alunos do Israelita tiveram o desafio de buscar soluções para diversos desafios empresariais conectados aos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

 Foto na home: Rafael Bauer/Tecnopuc