scroll

Obter informações financeiras de forma simplificada e diretamente da fonte é uma tarefa difícil para muitas empresas. Mais ainda em mercados emergentes, em que os dados são, historicamente, dispersos e desorganizados. Foi com o objetivo de facilitar este processo, auxiliando na gestão e no planejamento, que nasceu a startup uruguaia de Open Banking B2B Datanomik.

A plataforma criada pela empresa utiliza uma API (Application Programming Interface, ou Interface de programação de aplicações, em português) para acessar informações financeiras diretamente dos bancos e de outras instituições, como provedores de serviços de pagamento e plataformas de e-commerce. A partir do seu sistema, padroniza e reúne esses dados em um só lugar, com atualizações em tempo real.

Dessa forma, os CFOs podem conectar todas as suas contas financeiras e obter uma visão centralizada para gerenciar o desempenho de seus negócios enquanto fazem reconciliações em tempo real, escrituração, contabilidade e qualquer outra operação comercial.

O CEO e co-fundador da startup, Gonzalo Strauss, destaca que as fintechs, atualmente, têm operações em vários países e continentes, de modo que é preciso lidar com dezenas de contas bancárias de diferentes bancos. “Isso resulta em um gargalo para as equipes financeiras, que passam horas acessando manualmente suas contas para verificar saldos, transferências ou analisar seu fluxo de caixa”, comenta.

Aliás, as startups de finanças seguem liderando os investimentos brasileiros, sendo responsáveis por US$ 567 milhões do total de fevereiro, segundo dados da Distrito.

E não se trata apenas de processos de backoffice, mas da simplicidade do produto. Por exemplo, cada vez mais empresas B2B estão procurando uma maneira mais rápida, simples e eficiente de integrar seus clientes. “Normalmente, levavam semanas ou até meses para obter verificações bancárias com extensos extratos bancários em PDF ou instruções bancárias válidas. Agora, esse processo leva apenas alguns segundos”, explica Strauss.

Foi a partir desse trabalho que a startup conseguiu ajudar empresas como as também uruguaias dLocal, a Jeeves e a Dinie: uma provedora de pagamentos, uma fintech corporativa e uma companhia de crédito, respectivamente.

Diante do bom desempenho já apresentado, a Datanomik projeta expandir o seu serviço para companhias de toda a América Latina, a começar pelo Brasil. Para isso, a startup utilizará o aporte de US$ 6 milhões levantado em rodada seed liderada pela empresa Andreessen Horowitz e com a participação de renomados investidores-anjos do setor.

Sergio Fogel, co-fundador da startup, salienta a importância do início das operações no Brasil. “É um mercado enorme que conhecemos muito bem”, diz.

Estamos no ecossistema fintech brasileiro há mais de 10 anos, adquirindo profundo conhecimento e know-how de mercado. As implementações para o Open Banking estão começando a tomar forma, e isso significa tomar todas as medidas necessárias para estar em conformidade com as regras”, completa.

O início da trajetória

O ex-diretor de Tecnologia, Gonzalo Strauss, e o conhecido empreendedor e investidor serial, Sergio Fogel, criador do primeiro unicórnio do Uruguai, a dLocal, fundaram a Datanomik há apenas três meses. A ideia surgiu a partir de uma dificuldade apresentada em algumas de suas experiências anteriores: lidar com uma infinidade de dados financeiros fornecidos por instituições diferentes.

Nos mercados emergentes, o dinheiro vivo ainda é o principal método de pagamento, de modo que é preciso usar processos arcaicos para fazer reconciliações ou gerenciar os dados de contas bancárias corporativas. “É um desafio, porque cada instituição tem seu próprio sistema, e nenhum está conectado entre si. Assim, as informações não são padronizadas, dificultando a atualização sistemática em um mundo em que uma conexão em tempo real é necessária”, explica o CEO.

Quando foi head de produto de uma das principais empresas de Fogel, a AstroPay, Strauss e sua equipe começaram a procurar uma solução interna para essa questão, mas descobriram que ela não existia. Foi nesse momento que eles decidiram que era hora de criá-la.

O resultado superou todas as expectativas, e o potencial ficou claro. Muitas empresas estavam enfrentando problemas semelhantes e poderiam se beneficiar do novo produto: nascia, assim, a Datanomik.

Para Fogel, essa é uma grande oportunidade, não apenas para empresas de pagamento, mas para qualquer uma que dependa de dados financeiros.

Estamos construindo uma infraestrutura que permitirá o uso de empresas de diversos tipos e setores”, completa. Além das ferramentas citadas, reduzir casos de fraude e melhorar os modelos de crédito para empréstimos são outros benefícios disponibilizados pela startup.