scroll

Startup de tecnologia que tem como missão democratizar o acesso e a utilização da tecnologia blockchain no cotidiano das pessoas e aumentar o poder de compra do consumidor, a C9 comemora os resultados alcançados com a primeira criptomoeda do varejo para utilização imediata. Após três meses de seu lançamento. a C9 Coin já soma cerca de 15 mil holders e mais de 65 mil transações diretas na blockchain.

Diferentemente de moedas digitais voltadas para investimento, a C9 Coin é vendida como um clube de vantagens e funciona de maneira similar a um programa de milhagem, por isso ela é conhecida como CryptoBack (cashback em criptomoedas).

Os resultados superaram nossas expectativas, o que mostra que o sistema está funcionando de forma estável e seguro, fazendo transações de forma direta e imediata na Blockchain, conectando pessoas e empresas. Parafraseando o presidente do Banco Central, as criptomoedas são parte de um movimento irreversível de tokenização da economia’ A C9 já é parte deste movimento”, afirma Thiago Ribeiro, co-fundador da C9.

Segundo ele, o que a C9 traz de inovador é converter a tecnologia disruptiva de Blockchain para a real utilização do grande público (pessoas físicas) por meio de lojas parceiras físicas e online de forma imediata. Em outras palavras, a gestão de carteira e envio e recebimento de moedas digitais sem intermediários, como uma Exchange. A empresa possui produtos como registro de documentos na Blockchain, Tokenização de ativos, Wallet online, CryptoBack, CryptoPix, integrações com PDVs e ERPs.

O mercado de pontos de fidelidade já é consolidado dentro de um ambiente tradicional de transações. O que existe de paralelo fora do País são sistemas que realizam cashback em Bitcoin, por exemplo. Em cripto, exatamente da forma como fazemos, desconhecemos semelhante”, adiciona Ribeiro.

A startup nasceu em meio à pandemia por três brasileiros entusiastas da tecnologia Blockchain e com o propósito de mudar a forma como as pessoas compram. Atua como desenvolvedora de soluções completas para integrar pessoas e empresas a Web 3.0. Atualmente, além do negócio de Tokenização de ativos, a startup criou sistemas de Wallet Online, Cryptopix, integrações com PDVs e uma nova interface B2W (Business to Wallet).

Ribeiro comenta que a startup trabalha neste momento com foco em integrar novos parceiros varejistas para aumentar a rede de utilização de usuários. Olhando num horizonte mais à frente, os planos são audaciosos: “Já estamos trabalhando para colocar um marketplace no ar e nos conectar com sistemas PDV e ERP das empresas parceiras. Nossa meta é aumentar o número de pessoas e empresas até atingir 500 mil holders, para que possamos realizar o ICO da C9 em Exchange para já pensar na utilização dela em outros lugares do mundo”.