scroll

Ser uma ferramenta de aprendizado contínuo, que empodera, inclui e apoia a diversidade em empresas, organizações e sociedade. Esse é o propósito da Plurie br, fundada pelas empreendedoras Laura Salles e Viviane Elias.

Recém-lançada no mercado, a startup aposta em um time de especialistas em diversidade e inclusão, que atuam como transformadores plurais, ministrando cursos em diferentes formatos, com planos a partir de R$ 10,90.

Queremos transformar o Brasil em um país que valoriza e exalta a diversidade com mais representatividade, equidade e inclusão. Dividimos a paixão pelos avanços em inclusão e queremos levar isso para empresas e organizações de todos os portes”, destaca Laura.

Para dar início ao negócio, as empreendedoras contaram com investimento-anjo de R$ 200 mil, e estão com boas expectativas para 2022. A meta é chegar a 10 mil inscritos na plataforma até o segundo trimestre, captar um novo investimento em uma onda pré-seed e ampliar a carteira de clientes, que hoje conta com nomes como a desenvolvedora de tecnologia para governos, Eicon.

A empreendedora explica que uma educação contínua e acessível em D&I pode levar a grandes transformações. “Queremos oferecer uma experiência similar a um TEDx de diversidade, com a facilidade e variedade de opções como a Netflix, a baixo custo e personalizando esse serviço de acordo com a necessidade das empresas”, reforça a líder da edtech.

Levantamento da consultoria McKinsey, realizado em 15 países, incluindo o Brasil, mostra que as empresas que veem a diversidade como parte da estratégia de seus negócios têm mais chances de lucrar acima da média do mercado. Ao mesmo tempo em que as vagas em diversidade nas organizações aumentaram 71% nos últimos cinco anos, instituições financeiras como Goldman Sachs e Nasdaq já não participam de IPO de empresas que não apresentem diversidade no board.

No caso da Plurie br, as empresas podem contratar o serviço direto no site da plataforma, que oferece planos com valores a partir de R$ 10,90, por funcionário. As inscrições são mensais e dão acesso a todos os cursos da edtech, além de aulas com especialistas em Diversidade, Equidade e Inclusão, apoio de psicólogos e advogados especializados em compliance antidiscriminatório.

Hoje, as empresas olham muito para letramentos e formações na área de D&I, mas ainda existe um grande desafio para que essa educação seja contínua, de modo que os colaboradores se engajem em outros temas além dos pilares de pessoas com deficiência e identidade de gênero, que são onde as companhias mais investem hoje”, avalia Viviane.

Dentro desta lógica, outro diferencial da edtech é poder atuar em conjunto com o trabalho das consultorias de diversidade tradicionais, que realizam um acompanhamento mais próximo dos indicadores dentro das companhias. “Com a nossa metodologia simples e acessível, que foca na empatia e acolhimento do outro para impulsionar a mudança de mindset, estrutura e serviço, e o preço acessível, conseguimos complementar as ações de diversidade de consultorias”, acrescenta.

Crédito foto: Paulo Barros