scroll

A Lincon, healthtech que promove terapia digital humanizada, é a primeira investida da Panvel Ventures, braço de Corporate Venture Capital (CVC) recém lançado pela empresa. O Grupo Panvel, formado pela Panvel Farmácias, Dimed Distribuidora e laboratório Lifar, é um dos fundadores do Instituto Caldeira, e uma das grandes empresas mais ativas do hub de inovação.

Fazer parte do Instituto Caldeira potencializa o nosso movimento de inovação aberta. Compartilhar experiências e estar próximo de universidades e de outras empresas que estão vivendo a inovação diariamente estimula o nosso empreendedorismo e enriquece a nossa busca por soluções e talentos”, comenta o Diretor de TI e Panvellabs do Grupo Panvel, Alexandre Arnold.

Segundo ele, o Panvellabs, laboratório de inovação, e agora a Panvel Ventures, mostram que o avanço é contínuo. “Inovamos sempre pensando no futuro e na melhor experiência para os nossos clientes”, reforça.

A Head de Startups do Instituto Caldeira, Debora Chagas, comenta o alto nível de maturidade da Panvel com relação ao tema da inovação aberta, e destaca como isso tem sido importante para a comunidade do hub de inovação.

A Panvel é muito ativa no ecossistema, participando de várias das iniciativas do Caldeira, como o programa Conecta, e, inclusive, tem apoiando outras empresas em suas jornadas”, ressalta.

Para a companhia, o CVC agrega valor à estratégia de inovação da companhia e busca captar startups com soluções de saúde e bem-estar e inteligência operacional

Este é um passo natural da companhia após a criação do Programa de Aceleração de Startups, em 2021. A nossa jornada de inovação aberta entra em uma nova fase de maturidade, com olhar atento ao mercado e à continuidade deste modelo de atuação. Por isso a busca por startups que alavanquem novas oportunidades para o nosso negócio”, afirma o CEO do Grupo Panvel, Julio Mottin Neto.

O Grupo Panvel tem como parceira na iniciativa a aceleradora Ventiur, que fará a curadoria, a seleção e a apresentação das startups que tenham potencial de investimento e que estejam alinhadas aos objetivos estratégicos da companhia. Uma banca avaliadora, formada por um time fixo e sponsors flutuantes, fará a recomendação final ao comitê de investimento.

A primeira investida

A primeira investida da Panvel Ventures é a Lincon, que significa “life in control” ou “controle da saúde”. A startup promove terapia digital humanizada, controlada por um time multidisciplinar próprio formado por médicos, enfermeiros, nutricionistas, educadores físicos e psicólogos.

A solução prevê o monitoramento de indicadores de saúde em tempo real de pacientes com diabetes, hipertensão, obesidade e outras doenças crônicas não transmissíveis e intervenções baseadas nos dados coletados.

Para darmos início a esse movimento, buscamos uma startup que está diretamente conectada ao nosso propósito, que visa priorizar um acompanhamento personalizado e recorrente para melhorar a qualidade de vida e o bem-estar dos pacientes”, explica a diretora de Desenvolvimento de Mercado da Panvel, Manuela Cardona.

Comitê de Inovação

Como forma de acelerar ainda mais suas iniciativas de inovação, o Grupo Panvel tem um Comitê de Inovação, que recebeu recentemente o reforço de Sérgio Saraiva, profissional com 20 anos de experiência nas áreas de Tecnologia, Operações de Vendas, Recursos Humanos e Gestão.

O Comitê de Inovação participará das reuniões periódicas e trabalhará na avaliação das startups e oportunidades de negócios que a Panvel Ventures busca para a companhia.

O Grupo Panvel conta, ainda, com o Programa de Aceleração de Startups, do qual a startup Lincon participa, o Programa de Conexão com Startups – com soluções de 21 startups em seu portfólio -, o Comitê de Inovação e o Programa de Intraempreendedorismo, que conta com multiplicadores e os Ativadores da Inovação.