scroll

Duas novidades recém-saídas do forno pelo Bergamotta Works, o Lab de Inovação da Grendene, ilustram bem uma nova forma de pensar e desenvolver produtos na maior exportadora de calçados do Brasil e uma das maiores produtoras mundiais.

Uma delas é o Ipanema Fun Spot, uma vending machine de produtos da Ipanema. O outro projeto, feito em colaboração com a unidade Melissa, é o Nuar, nova marca que chegou ao mercado tendo como foco impulsionar a criação de um ecossistema de pessoas, marcas, conteúdos e produtos que estejam alinhados a um propósito comum: provocar e ajudar as pessoas a repensarem seus valores e seus modos de consumo, de uma forma geral e em todos os aspectos da sua vida.

São dois exemplos práticos deste ciclo rápido de desenvolvimento de produtos que o laboratório de inovação trouxe para os times da gigante calçadista.

O Bergamotta é uma grande paixão. Estamos encantados com a forma como conseguimos estabelecer essas relações dentro do lab em tão pouco tempo e otimistas com as possibilidades de novos projetos e iniciativas realmente disruptivas que estão se desenhando”, comenta o diretor da divisão Melissa da Grendene e da área da Transformação Digital, Paulo Pedó.

O Bergamotta foi criado para desenvolver e testar soluções que aproximem pessoas e negócios sustentáveis, e carrega uma forte expectativa. Mas, claro que, como todo laboratório de inovação, existe muito trabalho a ser feito, e o entendimento que os maiores resultados aparecerão com o tempo. “É como se fosse um tijolinho por cima do ouro”, compara o executivo.

Como o Bergamotta está estruturado

O Bergamotta Works foi lançado no primeiro trimestre de 2020 e conta com um time formado por profissionais especializados em áreas como tecnologia, sustentabilidade, design e engenharia.

Sob a liderança de Arturo Garziera, Bianca Dallegrave e Poliana Correa, está uma equipe exclusiva com três heads de inovação, um profissional especializado na conexão da iniciativa com o ecossistema de startups, um analista de tecnologia, um designer e um cientista de dados.

“Somos funcionários da Grendene, mas atuamos separados do restante da operação. A área administrativa da empresa fica em Farroupilha, e nós estamos em Porto Alegre”, conta Garziera. A perspectiva é que, se ficasse em Farroupilha, correria o risco de não conseguir separar as atribuições de um laboratório de inovação, que é pensar coisas novas, do dia a dia da operação.

“Consideramos que é uma distância segura para o Bergamotta não virar uma nave espacial, sem conexão com o negócio, e nem apenas um departamento dentro da companhia”, reforça Pedó.

A escolha foi posicionar o Bergamotta dentro do Instituto Caldeira, iniciativa da qual a Grendene é uma das fundadoras. “O objetivo final é promover inovação e a cultura digital próximo a outros players. Estamos desenvolvendo no Caldeira projetos ligados às nossas unidades de negócios e focados em colaboração”, conta Garziera.

Como o Lab é visto pelo restante da empresa?

Os projetos realizados pelo Bergamotta são conectados com o que está sendo pensando para todas as marcas da Grendene. Por isso, os squads são mistos, reunindo profissionais do Bergamotta e das unidades de negócios da Grendene.

Mas, como decidir qual projeto da corporação deve ser priorizado para ser tirado do papel e passar a ser desenvolvido pelo time de inovadores do Bergamotta? Para resolver isso, Garziera conta que foi criada uma matriz que considera a visão daquela ideia para os negócios, o consumidor, o grau de inovação e o grau de dificuldade de implantação. “Envolvemos as áreas de negócios nessas quatro dimensões e isso nos traz muita clareza sobre qual projeto devemos priorizar naquele momento”, relata.

A escolha final será pela iniciativa que for mais estratégica para a  empresa e para o Bergamotta. “Isso reduz o risco de parecer que a gente decide tudo. Achamos um equilíbrio entre não cair na redoma da operação e, ao mesmo tempo, não ser um objeto estranho dentro da companhia”, ilustra. Mas, claro que, com pouco mais de um ano de vida, ainda há muito aprendizado e evolução pela frente.

 11 projetos no pipeline

Atualmente, são 11 projetos no pipeline do Bergamotta Works. Iniciativas que vão desde a criação de soluções para se conectarem com a venda em modelo de assinatura até impressão 3D, criação de plataformas e iniciativas de impacto social, entre outros novos negócios.

Pedó comenta que o grande objetivo é provar se cada nova ideia de produto faz sentido para os consumidores antes de chegar ao mercado de forma escalada. “Tudo que fazemos é dentro do conceito de Produto Mínimo Viável (MVP). É o negócio completo, mas com tração menor. É diferente do que é criado pela Grendene, que já nasce grande”, exemplifica.

E por que Bergamotta? A ideia era algo que remetesse a algo orgânico, natural e que representasse a região da serra gaúcha onde a empresa nasceu. Sem falar da analogia dos gomos que, juntos, fazem o fruto.

Área de transformação digital deu origem ao Lab

O Bergamotta é um dos projetos que surgiram a partir da criação da área de Transformação Digital da Grendene, em outubro de 2019. Foram três meses para a criação do plano estratégico, que definiu três pilares de ação: Inovação, Transações Digitais e Cultura Digital.

Dali derivou, por exemplo, o Digital Commerce, que é o processo de internalização da operação do e-commerce nacional e internacional de todas as marcas do grupo para impulsionar as vendas on-line. A ação começou em agosto do ano passado e já estão sob a gestão da empresa o e-commerce das marcas Melissa Brasil e Internacional, Zaxy, Ipanema, Grendene Kids e Rider Brasil, além do e-commerce B2B. A expectativa é concluir a migração de todas as marcas em breve.

Com o lab de inovação, a ênfase é nos projetos de inovação para permitir novas formas de acessar o consumidor. É o Bergamotta o responsável por criar novos modelos de negócios para as marcas da Grendene, Melissa, Rider e Ipanema. Sem falar nas novas iniciativas focadas no menor impacto ao ambiente na produção dos produtos, venda e distribuição.

As iniciativas de inovação da Grendene têm evoluído porque a empresa conseguiu colocar toda organização na mesma página, ou seja, lideranças e colaboradores. Aqui existe um ambiente para que uma iniciativa como o Bergamotta se sinta confortável e possa crescer”, destaca Garziera.