scroll

O Instituto Caldeira e a Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado (Fetransul) firmaram um acordo de cooperação que deve ser um marco na atuação setorial do hub e ainda mais no alcance da iniciativa e seu potencial de gerar transformações.

O ato foi nesta segunda-feira (30) na sede do Caldeira, em Porto Alegre, e foi prestigiado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que se mostrou um entusiasta do papel das tecnologias para impulsionar a produtividade na economia brasileira, com foco em transportes. Sobre a cooperação com a entidade, o presidente da Fetransul, Afrânio Kieling, estava empolgado.

É um passo sensacional e de uma grandeza enorme. O sistema está participando para desenvolver e criar tecnologias para todo o setor do Rio Grande do Sul e não para uma empresa apenas”, comenta.

O dirigente acredita que a instalação de uma unidade com uma equipe voltada a buscar avanços e aplicações é um caminho para acelerar as transformações e agilizar o acesso a ferramentas de forma mais pulverizada e até em condições equilibradas.
“Se todas as empresas estiverem com ótimas tecnologias, seremos mais competitivos. O trabalho do sistema é para todos os sindicatos e as empresas associadas”, reforçou o presidente.

Com foco em elevar a produtividade e eficiência, a interface com o hub de inovação pode transbordar os limites do Estado, sinalizou o dirigente.  Kieling disse que a “bandeira gaúcha” que une tecnologia e transportes pode ser levada ao sistema nacional do Sest/Senat, que é a frente de formação, treinamento e apoio a empresas.  “Eles já mostraram interesse”, adiantou o dirigente do Rio Grande do Sul.

O diretor executivo do Caldeira, Pedro Valério, amplificou o ânimo dos estreantes. “Nosso propósito é fomentar a inovação e discussão sobre os impactos de novas tecnologias em todos os segmentos, o que tem a ver com digitalização e transformação do contexto de ambiente econômico”, elenca Valério.

A cooperação firmada com a Fetransul vai acelerar a reflexão sobre a inovação e a relação com mais competividade, aposta o diretor executivo.  “Estamos certos que podemos congregar aqui as diferentes hélices do ecossistema. O dia de hoje celebra este projeto”, completa Valério.