scroll

Você sabia que o mercado de games é o que mais cresce e fatura na indústria global do entretenimento, à frente da indústria cinematográfica e musical? Em 2021, os jogos eletrônicos movimentaram cerca de US$ 175,8 bilhões em todo mundo e, em 2023, essa cifra deve subir para mais de US$ 200 bilhões, segundo dados da consultoria Newzoo. Isso tem chamado atenção das grandes marcas…

Na América Latina, o Brasil lidera o consumo de jogos eletrônicos. Para ter uma noção, cerca de 75% dos brasileiros se declararam gamers em 2021, sendo o mobile o meio mais usado, de acordo com a nona edição da Pesquisa Game Brasil (PGB). O número de desenvolvedoras nacionais de jogos também tem crescido exponencialmente: de 2018 a 2022, saltou de 375 para 1.009 empresas, um crescimento de 152%.

Diante desse mercado em ebulição, o Instituto Caldeira promoveu a Masterclass “Unindo games e grandes marcas”, ministrada por Guilherme Gonçalves, co-fundador da desenvolvedora de games mobile Hermit Carb. O empresário falou sobre o movimento das grandes empresas que têm usado os games como uma nova mídia de posicionamento de marca e formação de comunidades.

O alcance das marcas a partir dos jogos eletrônicos vai além de qualquer outro segmento da indústria do entretenimento em razão do fator imersão. No jogo, a pessoa deixa de ser espectadora e passa a ser protagonista, isso tem um valor absurdo para as marcas, sejam elas quais forem, diz.

De acordo com o executivo da Hermit, o mercado mobile foi responsável por 230 bilhões de downloads de novos apps em 2021, movimentando US$ 170 bilhões em gastos nas lojas de aplicativos. Ademais, cerca de US$ 295 bilhões foram gastos por empresas em adds mobile em 2021. Isso porque, quando os jogos são gratuitos, a rentabilização vem através de anúncios.

Além disso, outro ganho que as empresas podem ter a partir dos games fora os anúncios é através de NFTs no Metaverso. De acordo com Gonçalves, o NFT é uma forma de monetização que precisa ser aliada a progressão do jogador no game ou como uma forma recompensa.

O Metaverso se tornou uma febre entre as empresas e os grandes players já estão nele. Nosso trabalho é mostrar para as marcas como elas podem criar plataformas de valor para que elas conversem com seu público, explica.

Sobre a Hermit

A Hermit se vocacionou a desenvolver jogos exclusivos para as empresas. Segundo Gonçalves, ao entender a dinâmica das marcas, a empresa consegue pensar em produtos exclusivos, que atendam posicionamentos específicos e, a partir daí, criar produtos para cada posicionamento.

Fundada em 2016, a Hermit atua no desenvolvimento, na publicação e no licenciamento de jogos para celular. A empresa é responsável pelos games oficiais dos clubes de futebol Paris Saint-Germain (PSG), Arsenal, Barcelona, Manchester City e Benfica.

No caso do PSG, o jogo foi eleito Best Game na categoria BIG Brands do prêmio BIG Festival de 2018, o mais importante festival de jogos independentes da América Latina.

O game se tornou uma ferramenta importantíssima para o PSG, assim como é para qualquer clube de futebol, porque com este novo produto é possível se comunicar com pessoas que não consomem diretamente a marca, explica Gonçalves.

Outra parceira de peso da Hermit é a The Sandbox, plataforma que desenvolve jogos no blockchain. A partir da parceria, o estúdio está desenvolvendo uma cidade virtual no Metaverso inspirada na cultura brasileira, que apresentará diversas experiências esportivas.